segunda-feira, julho 23, 2007

Oh,dear Emily!

Adoro a Emily Dickinson, gosto tanto de seus poemas:

I'm nobody! Who are you?
Are you - Nobody - Too?
Then there's a pair of us!
Don't tell! they'd advertise - you know!

How dreary - to be - Somebody!
How public - like a Frog -
To tell one's name - the livelong June -
to an admiring Bog!

Este também:

I've seen a Dying Eye
Run round and round a Room -
In search of Something - as it seemed -
Then Cloudier become -
And then - obscure with Fog -
And then - be soldered down
Without disclosing what it be
'Twere blessed to have seen -

4 comentários:

miki w. disse...

karen, queria apreciar poesia em outras línguas como vc :-).

a sonoridade sempre me encanta, mas preciso fazer um esforço mental muito grande para poder compreender.

acho q preciso estudar mais rs rs rs.

bjs, miki

Karen disse...

Os poemas da Emily Dickinson são um pouco diferentes dos poemas "convencionais", ela faz cortes e exige que a gente pense mesmo! ;-)

Beijos!

Kovacs disse...

Boa escolha dos poemas gosto muito também deste aqui:

A word is dead
When it is said,
Some say.
I say it just
Begins to live
That day.

Fiz uma análise de algumas traduções deste poema lá no meu mundo (http://mundodek.blogspot.com).

Parabéns pelo blog. Gostei muito e certamente voltarei por aqui.

Karen disse...

Kovacs, obrigada pela visita! Eu também gosto desse poema!

Darei uma passada pelo seu blog!

Abraços!