sexta-feira, fevereiro 23, 2007

Haruki Murakami - Dance Dance Dance

"My peak? Would I even have one? I hardly had had anything you could call a life. A few ripples. Some rises and falls. But that's it. Almost nothing. Nothing born of nothing. I'd loved and been loved, but I had nothing to show. It was a singularly plain, featureless landscape. I felt like I was in a video game. A surrogate Pacman, crunching blindly through a labyrinth of dotted lines. The only certainty was my death.
No promises you're gonna be happy, the Sheep Man had said. So you gotta dance. Dance so it all keep spinning."

Um hotel misterioso em Sapporo no qual vive um homem vestido com uma fantasia de carneiro, um ser primordial, mortes banais ou misteriosas, um ator, algumas prostitutas, uma garota de 13 anos e sua família, este é o universo de Dance, Dance, Dance, história narrada por um homem de 34 anos que trabalha como free lancer para jornais, revistas, etc.

Simpatizei com ele, quando ele diz que seu trabalho é "escavar neve cultural", algo sem sentido, sem paixão, achei que aquilo era uma boa descrição para o que tenho feito até agora. Eu não diria neve, mas capim, eu faço montes de capim pesquisando o século XVIII, capim histórico. Algo não menos inútil.



11 comentários:

miki w. disse...

ah, acabou-se o mistério - rs! dizem que o 'dance, dance, dance' faz inúmeras referências a músicas dos anos 80, não? acho q, só por isso, o livro já ia me fisgar!

e tb tem links com o 'caçando carneiros', certas personagens aparecem nos dois romances?

duvido que seus escritos sejam assim tão inúteis! aposto q são lindos e muito inteligentes!

beijinhos, miki

Karen disse...

Faz sim! Descobri que o título do livro também é o nome de uma música (não me lembro de quem).

Caçando Carneiros será o próximo, não sei se os mesmo personagens aparecem nas histórias. Mas até agora, sempre tenho a impressão de que os personagens são sempre muito parecidos, ele só "rearranja" o enredo...

Obrigada! Mas é verdade, mesmo que faça algo bem, não deixa de ser inútil, eu não me importo, faço minha parte e, se der algum retorno, ótimo.

miki w. disse...

ah, acho q será uma boa seqüência, karen! apesar de eu não ter amado o caçando como o sputinik, ainda assim vale a pena ler! deu até um certo medinho ui, mas eu não sou parâmetro, tenho medo de tudo - rs!

nada que se faça com verdadeiro amor e dedicação é inútil, creia em mim! pode não ser o clamor das multidões, mas inútil, com certeza não será!

beijinhos, miki

Maria Helena disse...

Por conta do seu amor pelo Sr. Mura, ontem comprei o Kafka on the shore!!! Estava "passando" por uma livraria, como qualquer obsessiva-compulsiva normalmente faria numa tarde de sexta-feira, quando vi o livro na prateleira e... bem... estou gostando bastante! (Já devorei um pedacinho!)
Assim que acabar comento com vcs...
Beijocas!

Karen disse...

Miki, pois é, nos livros em que o Murakami "brinca" com duas realidades paralelas, ele apelar para aquele lado japonês do mundo dos fantasmas, aparições, seres estranhos, etc... rs

Bem, não vou discutir com você... rs Mas, às vezes, sinto-me na situação dos personagens do Murakami, meio sem rumo, mas isso é normal...

Maria Helena, puxa! Espero que goste! Não sei explicar o que me atraiu nele, achei o começo meio devagar, mas depois que você chega em determinado ponto, não larga mais! Acho que foi ele que me fez levar o Murakami "à serio". rs

eduardo lima disse...

Meninas,

Acabei de ler Minha adorável Sputnik. Estava gostando tanto que
pensei em comprar a coleção toda do autor em 12 vezes sem frete na saraiva. Tava achando o cara o Nick Hornby do Japão. Mas, de repente, o livro muda radicalmente o tom e segue para um tipo de realismo fantástico que, diga-se de passagem, muito me apraz. O fato é que levei um soco na cara quando não esperava e, ainda atordoado, pergunto às especialistas: Sumire voltou para a dimensão do professor ou foi ele quem passou para o outro lado?

miki w. disse...

eduardo, seja muito bem-vindo!

quando li, como boa otimista e romântica que sou, acreditei que, de alguma maneira, eles tinham podido se reencontrar. e, em minha imaginação, ela, assim como sumiu, reapareceu novamente. mas, um amigo a quem emprestei o livro, sentenciou o seguinte: 'é um livro sobre a solidão. eles nunca mais se reencontrarão.' ele usou umas palavras mais bonitas, na verdade, mas eu não me lembro exatamente. fiquei muito triste com essa constatação e prefiro pensar que eles se reencontraram em algum lugar!

de todo modo, a karen tem muito mais autoridade para falar de murakami do que eu. mas deixo aqui meu registro e esperemos o dela!

[ ]s
miki

Karen disse...

Obrigada por dizer que eu tenho autoridade no assunto, Miki! Até parece... rs

Acho que o Murakami deixa um fiapo de esperança para os otimistas, para quem vê o copo mais cheio e não mais vazio, mas também acho que o livro é sobre a solidão e que a ligação da Sumirê é algo imaginado pelo autor... Mas é claro que sempre há a possibilidade de...
Isso é uma das coisas que adoro no Murakami!

Miki, estou lendo Caçando Carneiros e você tem razão, Dance, Dance, Dance é sua continuação. Putz, eu vivo lendo as coisas do fim para o começo... rs

miki w. disse...

sério, karen? bem, eu achava q um tinha ligação com o outro mas não tinha certeza da seqüência deles!

beijinhos, miki

valentina disse...

Li e gostei muito do Kafka on the shore. Acho que nao e um livro de leitura e aceitacao facil mas o li compulsivamente.nao consegui put it down. e me fez refletir tanto sobre tantas coisas. principalmente inocencia perdida. Acho que vou atras de deste aqui.bjocas meninas

Karen disse...

Val, acho que o "Kafka" é sobre isso mesmo... Ah, leia o "Caçando Carneiros" antes, o "Dance, Dance, Dance" é a sua continuação.